Pré-Seleção: O Grande Passo para quem faz 
a Dança do Ventre no Brasil
por Jorge Sabongi



Pré-Seleção - desde 1999 formando novos talentos

É impossível falar sobre a Pré-Seleção sem saber um pouco sobre o que ela é, e o que representa no mercado de dança do ventre hoje em dia.

A Pré-Seleção visa reconhecer, através das maiores expressões da dança em todo território nacional, as bailarinas que tem um Padrão de Qualidade em Dança do Ventre, isto é, que poderiam estar dançando na Khan el Khalili, ou que representam uma continuidade de nosso trabalho, mesmo nos locais mais distantes.

Ao longo de tanto tempo, trabalhando com este sonho, que é nosso e de todos aqueles que nos visitam, criamos um estilo de dança do ventre que agrada todos os povos e todas as idades.   O resultado deste trabalho, conferiu credibilidade à dança do ventre dentro do Brasil.  As bailarinas do grupo, que mantêm seus estudos de forma séria e comprometida, podem se apresentar em qualquer país, sem receio de julgamento sobre a qualidade de seu trabalho.


Aziza Mor-Saide - Araguaina-TO - 1999

Ter um certificado de Pré-Seleção hoje, significa que sua dança foi aprovada por um grupo de profissionais gabaritados no mercado brasileiro.  Abre portas, conferindo respeito e credibilidade à sua dança.  

Desde a primeira Pré-Seleção (1999), muitos talentos se revelaram.  

Ser aprovada nela, não significa necessariamente que a bailarina estará dançando na escala da Casa, mesmo porque, não temos espaço físico para absorver tudo o que o mercado já produziu ou progrediu e o que virá nos próximos anos.

As aprovadas, desde que mantendo seus estudos,  podem ser divulgadas em nossos sites e eventos futuros para que todos tomem conhecimento de seu padrão de qualidade.

Para ser aprovada pela banca examinadora, a bailarina necessita ter média acima de 8,00 em todos os quesitos.  

Em 2002, consideramos uma margem de segurança de 2,5% (isto é, todas que tivessem notas acima 7,80 seriam aprovadas).  Infelizmente isso revelou-se insatisfatório para os padrões.  Percebemos que aquelas que não tinham atingido a média 8,0 realmente necessitavam complementação em seus estudos para estar dentro do Padrão exigido. 

O resultado, foi que em 2003 achamos melhor manter a média 8,00 acima como ponto de equilíbrio, sendo que todas aquelas que estivessem dentro da margem de segurança (7,80 a 7,99 pontos), poderiam prestar automaticamente no ano seguinte o exame.  Evidentemente que uma bailarina, se não paralisa seus estudos, em um ano muda sua performance, portanto, é exigido novo material para avaliação e nova inscrição.  Novas fotos, deixamos como opção da bailarina, mas acreditamos que também seja igualmente importante.

As bailarinas que conseguem obter nota média acima de 9,00 em todos os quesitos, ao nosso ver, estão preparadas para o mercado internacional.  

Uma arte deve manter tradições

Uma sinfonia não pode ser modificada em sua partitura original.  Da mesma forma que uma peça de Shakespeare não teria sentido se fosse alterada em seu conteúdo original.  O que dizer de uma dança milenar que é deturpada em ramificações absurdas, como aconteceu nos últimos anos, sem critérios e visando atenção sensacionalista?  

É difícil dizer em nosso país, quem fala a verdade, quando o assunto é dança do ventre, dada a escassez de material de pesquisa e a não disponibilidade das pessoas para viajar e fazer pesquisa de campo.  Ainda a única forma para quem se encontra no Brasil é a Internet e ainda assim, a interessada tem que ter inglês fluente e saber filtrar as informações que recebe. 


Monah Souad - Goiânia-GO - 1999

Houve uma duplicação muito rápida neste mercado nos últimos anos.  Alunas que aprendiam pouco e diziam-se mestras, mesmo quando ainda nem sequer haviam lido nenhuma literatura sobre a cultura, ou desenvolvido bases para o aprendizado de uma dança de qualidade, criaram certos vícios, que merecem e precisam ser corrigidos para ampliar os horizontes.  O resultado disso é uma dança que não produz encanto, pois abrange apenas a superficialidade.

A Banca Examinadora

Pelo tempo de atuação neste mercado, sempre tivemos próximos a nós, um grupo de profissionais atuantes.  Pessoas que fazem da dança sua vida profissional. 

Ninguém melhor poderia formar um grupo que oferecesse, uma avaliação condizente com o estilo da Khan el Khalili.  Já que a intenção é reconhecer bailarinas que se guiam pelo direcionamento e filosofia da Casa, só poderíamos escolher pessoas que trabalham conosco.


Kiania - São Paulo-SP - 2010

Não é nossa intenção alardear que somos os únicos a decidir sobre o destino da dança do ventre no Brasil.  A Pré-Seleção é nossa contribuição para aquelas que crescem dentro do estilo que foi criado por nós.  Acreditamos que cada um tem uma crença e o direito a ela é sagrado.  Nossos critérios obedecem a nossa crença sobre o que seria a qualidade mínima para uma bailarina se apresentar em público.

Uma banca examinadora não "passa a mão carinhosamente na cabeça de seus candidatos", muito menos tem objetivo de denegrir um trabalho iniciado. 

Trata-se de uma ferramenta útil, que deve ser aproveitada ao máximo, principalmente como trabalho evolutivo.  Percebemos que as avaliações que fazemos na primeira fase de todos os anos (aquelas confidenciais, que só a candidata recebe - para preparar-se para o exame), facilitam e muito o desenvolvimento de cada uma. 

Quando chega o dia da apresentação para a banca, muitas são outras completamente diferentes do que se apresentavam antes, mesmo com o estado emocional acima do normal.  Receber uma boa avaliação é um impulso forte no que diz respeito à auto-disciplina.  Parece que os 3 ou 4 meses que se sucedem assim que a bailarina recebe sua avaliação, funcionam como um aditivo de efeito surpreendente até o dia do exame.

Dali para o futuro, tudo pode acontecer.  Algumas entram para a escala da Casa, outras continuam profissionalmente com seu trabalho de aulas em suas cidades, e outras ainda, até param de dançar porque o que desejavam, era apenas obter uma noção de como estava sua dança.  Para aquelas que decidem se aperfeiçoar, o resultado é progressivo e se mantém crescente através dos anos.


Allana Alflen - Salvador-BA - 2009

A coragem para preparar seu material

Admiramos portanto, quem produziu seu material nos últimos anos.  De forma caseira, todas colocaram o melhor de si, na esperança de chegar lá na frente e encontrar o reconhecimento por seu trabalho.  

Mesmo com a precariedade do ensino em muitas regiões do nosso país, "o sonho", muitas vezes foi mais forte e trouxe até nós, verdadeiros talentos, preciosas jóias de mulheres que, de uma força incrível, fizeram muitos esforços para chegar até aqui e venceram.  

Achamos que participar dela, é uma tarefa que toda bailarina deveria passar.  Trata-se de um estágio que traz crescimento.  Torna-se crítica e exigente consigo mesma e a aprovação pode auxiliá-la muito na forma como vê sua dança.

É diferente você ter sua dança avaliada por quem realmente entende do assunto.  Muitas de suas falsas ilusões poderão ser dissipadas.


Amanda Rosa - Brasília-DF - 2010

Para chegar à banca existem três fases: 

1) um bom aprendizado; 

2) respeito por aquelas que foram suas professoras, solicitando das mesmas, sua opinião sobre a decisão de estar preparada para encarar um exame como este.

3) ter ousadia e coragem para enviar o material e receber uma avaliação crítica.  

Nem todo ser humano sabe lidar de forma positiva com críticas.  Mas em muitos casos, elas são necessárias, principalmente quando se trata de mostrar-se para o grande público.


Ariella - São Paulo-SP - 2010

Quem está fazendo acontecer hoje em dia...

A cada ano surgem novas bailarinas de qualidade em diversos Estados em nosso país, e para nós, é sempre uma surpresa descobrir o quanto a dança tem ampliado as fronteiras.

Jorge Sabongi